Outros EsportesOlimpíadas

TOP 10 Momentos que marcaram a história das Olímpiadas

A menos de 70 dias do início das Olimpíadas 2024 de Paris, o 365Scores reuniu momentos que marcaram a história dos jogos. Ao longo dos anos, atletas, equipes e até modalidades ficaram conhecidos por conquistas e posicionamentos emblemáticos.

Relembre alguns momentos marcantes na hirstória dos Jogos Olímpicos, como o Dream Team, de 1992.

Dream Team, Barcelona 1992

Dream Team 1992 do basquete, uma das principais modalidades olímpicas
Foto: Andrew D. Bernstein/Getty Images

Uma das modalidades de maior domínio dos Estados Unidos em Olímpiadas é o basquete, uma vez que a principal liga do esporte do mundo, a NBA, é situada no país. Entre os 16 ouros olimpícos, o de mais destaque aconteceu nos Jogos de 1992 em Barcelona, quando foi formado o Dream Team.

Composto por nomes como Michael Jordan, Larry Bird e Magic Johnson, a seleção foi um verdadeiro time dos sonhos. Nos cinco jogos do torneio, não deu chances para os adversários, terminando com uma diferença de pontos média de 50.

A vitória mais acachapante foi na estreia, contra Cuba, quando venceram por 79 de diferença. A final, contra a Venezuela, terminou em 127 a 80.

Gabriela Andersen-Schiess, Los Angeles 1984

Novidade nos Jogos de 1984, a maratona feminina foi um dos holofotes da competição. Antes de Los Angeles, as mulheres eram proibidas de competir em provas de longas distância. Diretamente da Suíça, Gabriela Andersen-Schiess marcou a estreia da modalidade com um ponto de exclamação.

Ao entrar no estádio olímpico para encerrar a prova dos 42km após mais de 2 horas e 40 minutos, Gabriela apresentou grande desgaste, relutando em conseguir andar até a linha de chegada. Os médicos ofereceram ajuda, mas ela, de prontidão, recusou e concluiu a prova. A cena se tornou uma das mais emblemáticas na história dos Jogos.

Michael Phelps, Pequim 2008

Phelps nas Olimpíadas de 2008
Foto: TIMOTHY CLARY/AFP via Getty Images

Maior medalhista na história das Olimpíadas, Michael Phelps era apenas um jovem de 23 anos quando chegou em Pequim, na China, para a disputa dos Jogos. Depois de suas primeiras medalhas de ouro aos 19 anos em Sidney (2004), teve um dos maiores desempenhos já vistos.

Phelps conquistou ouro em todas as medalhas que disputou. Ao todo, foram 7: 400m medley (com recorde mundial), 4×100 livre (com recorde mundial), 200m borboleta (com recorde mundial), 200m livre (com recorde mundial), 4x200m livre (com recorde mundial), 200m medley (com recorde mundial), 100m borboleta (com recorde olímpico) e 4×100 medley (com recorde mundial). 

Primeira medalha de ouro brasileira, Antuérpia 1920

Guilherme Paraense, primeiro medalhista de ouro das Olimpíadas
Foto: Reprodução

A primeira medalha de ouro do Brasil em Jogos Olímpicos aconteceu nas Olimpíadas da Antuérpia (Bélgica), em 1920. Guilherme Paraense foi o responsável, quando venceu a prova de tiro com pistola rápida. Original de Belém, era integrante do exértico brasileiro.

Jesse Owens, Berlim 1936

Jesse Owens nas Olimpíadas de Berlim de 1936 em meio ao movimento nazista
Foto: Getty Images

Um dos momentos mais memoráveis das Olimpíadas aconteceu em 1936, na Alemanha. No período em questão o país era dominado pelo nazismo, com Adolf Hitler sendo o comandante. Negro, Jesse Owens participou dos Jogos de Berlim e ganhou quatro medalhas de ouro.

Seu bom desempenho enfureceu Hitler, que torcia contra negros e a favor de “arianos”. O mandatário sequer cumprimentou Owens. Em relato na sua autobiografia, o corredor revela que acenou para o chefe do partido nazista.

John Carlos e Tommie Smith, Cidade do México 1968

John Carlos e Tommie Smith protestando durantes as Olimpíadas de 1968
Foto: © Rich Clarkson / Rich Clarkson & Associates

Depois do marco inicial protagonizado por Jesse Owens, foi a vez e John Carlos e Tommie Smith também protestarem contra o racismo nos Jogos do México de 1968.

A dupla conquistou medalhas nos 200 metros rasos, sendo Smith a de ouro e Carlos a de bronze. No pódio, ergueram o punho cerrado com uma luva negra. O gesto era forte na época, uma vez que era utilizado pelos membros do Movimento Black Power nos Estados Unidos. Eles acabaram punidos pelo Comitê Olímpico.

Vanderlei Cordeiro de Lima, Atenas 2004

Depois de participar das maratonas nos Jogos de 1996 (Atlanta) e 2000 (Sidney), Vanderlei Cordeiro de Lima chegou em Atenas determinado em conquistar, pelo menos, uma medalha – ele caminhava a passadas largas pra isso.

Vanderlei liderava a prova com folgas e estava perto do tão sonhado ouro. O que ninguém esperava, no entanto, era a invasão de um homem na pista, que acabou deslocando o atleta para fora dela. O brasileiro voltou para a prova, mas não conseguiu se recuperar e terminou com o bronze.

A entrada de esportes radicais, Tóquio 2020

Rayssa Leal medalhista olímpica
Foto: Wander Roberto/COB

Popular principalmente entre jovens, os esportes radicais sempre foram uma marca registrada dos Jogos de Inverno. Nas Olimpíadas de Verão, no entanto, ainda havia certa resistência em considerá-los esportes olímpicos. Isso mudou em Tóquio.

Como de praxe, o Comitê Olímpico definiu novas modalidades para os Jogos e as duas principais foram voltadas para o lado “radical”. Foram elas: Surf e Skate. Ambas se tornaram sucessos imediatos – especialmente no Brasil, que faturou diversas medalhas, incluindo a prata de Rayssa Leal e o ouro de Ítalo Ferreira.

Para 2024, a inserção de modalidades “de rua” continuou. Serão dois os esportes novos para as Olímpiadas de 2024: breaking e canoagem slalom extremo. Enquanto o breaking traz a cultura das ruas para o maior palco esportivo do mundo, a canoagem extrema é o braço mais “radical” do slalom.

Mulheres competindo por todos os países, Londres 2012

Wojdan Shaherkani nas Olimpíadas
Foto: Wally Skalij/Los Angeles Times via Getty Images

Pela primeira vez na história, ao menos uma mulher competiu por todos os países presentes em uma Olimpíadas. O marco histórico aconteceu em Londres, 2012, quando a judoca Wojdan Shaherkani, de apenas 16 anos, representou a Arábia Saudita.

Paris 2024 terá a maior participação feminina em 100 anos. De 1924 pra cá, o percentual entre a presença de mulheres e homens saiu de 4,3% e 95,7% para 50-50. Será a primeira vez na história que há equilíbrio.

Usain Bolt, Pequim 2008

Usain Bolt nas Olimpíadas
Foto: Ezra Shaw/Getty Images

A exemplo de Michael Phelps, Usain Bolt fez sua estreia como um verdadeiro raio nos Jogos de Londres. Em sua primeira Olimpíadas, o jamaicano logo faturou duas medalhas de ouro nos 100m e 200m individuais. Em ambas ele quebrou os recordes olímpicos e mundial. De lá pra cá, faturou mais seis medalhas de ouro em Londres e Rio.

As Olimpíadas 2024 de Paris começam oficialmente no dia 26 de julho, com encerramento previsto para 11 de agosto. Confira o guia completo do 365Scores para a competição!

Onde assistir aos Jogos Olímpicos de 2024?

Os Jogos Olímpicos de Paris terão transmissão da TV Globo (aberta), SporTV (fechada) Globoplay (Streaming) e CazéTV (YouTube).

E para saber tudo sobre todos os esportes, visite o site do 365Scores! Lá você encontra todos os jogos de hoje, tabela de classificação e mais!

Lucas Pires

Jornalista graduado pela ESPM do Rio de Janeiro que, além de compartilhar histórias, gosta de mostrar o lado curioso delas.

205 Articles

Copa do Brasil

Botão Voltar ao topo